sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

NÃO MAIS PASSARÃO IMPUNES: NOTA DE REPÚDIO AO ATO RACISTA DE UM ESTUDANTE DA UFRB

Um graduando do curso de Ciências Sociais da UFRB recusou-se a receber a avaliação das mãos da professora Doutora Isabel Cristina Ferreira dos Reis, uma mulher negra de trajetória profissional irrefutável, autora de trabalhos importantes sobre a história da escravidão e da liberdade no Brasil e militante na luta antirracista. Um ato vil e brutal de racismo que foi registrado e amplamente divulgado nas redes sociais. Atitudes como essa não podem ser minimizadas ou simplesmente esquecidas, é importante que seja restabelecido o respeito à docente e todas as medidas sejam adotadas pela Instituição no sentido de apurar e punir o agressor. Expressamos veemente repúdio a atitude do estudante e nos solidarizamos com a professora.

Em tempo, diante de tantas ocorrências a que estamos sujeitas enquanto população negra, convocamos a comunidade acadêmica a nos mobilizarmos e tomarmos esse caso como mote para ações mais incisivas capazes de não só coibir, mas levar à justiça como forma eficaz de combate ao racismo, ao machismo e ao feminicídio.

Racistas e machistas não passarão.


Subscrevem:
Área de Conhecimento de Antropologia DCHF/UEFS
Área de Conhecimento de Geografia DCHF/UEFS
Área de Conhecimento de História DCHF/UEFS
Área de Conhecimento de Sociologia DCHF/UEFS
Centro de Memória dos Povos Indígenas do Nordeste DCHF/UEFS
COMU – Coletivo de Mulheres de Feira de Santana
Fórum de Diretores da UEFS
Grupo de Estudos Gênero e Sexualidade DCHF/UEFS
Grupo de Estudos Interdisciplinares de Gênero Nina Simone DCHF/UEFS
Grupo de Pesquisa FIRMINA/DSAU/UEFS
Grupo de Pesquisa COGITARE/DSAU/UEFS
Grupo de Pesquisa GESTIO/DSAU/UEFS
GT Gênero e História da ANPUH-Bahia
Incubadora de Iniciativa da Economia Popular e Solidária (IEPS/UEFS)
Marcha do Empoderamento Crespo
MULIERIBUS – Núcleo de estudos sobre as mulheres e relações de gênero- DCHF/UEFS
LECADIA- Laboratório de Estudos Conexões Atlânticas e Diáspora Africana - DCHF/UEFS
VOZES: estudos sobre violências contra as mulheres (UNEB/DEDC XIV)

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

VAMOS AO VII NOVEMBRO NEGRO DA LAGOA GRANDE!


Boa comida, boa música, sorrisos e abraços, troca de saberes e energias. É assim que a Comunidade Quilombola de Lagoa Grande comemora o Novembro Negro!
 Com o tema "Sobrevivemos porque produzimos: contando histórias e estórias de resistência do Quilombo Lagoa Grande", o evento acontece nos próximas sexta e sábado (22 e 23 de novembro de 2019), na sede da Associação Comunitária Maria Quitéria-ACOMAQ (um pouco depois de São José, em Lagoa Grande).

No sábado, 23, também  a Feira de Saberes e Sabores da UEFS acontece por lá na sua versão "itinerante", desta vez composta especialmente por produtores e produtoras da Comunidade de Lagoa Grande e suas delícias.

O encerramento acontecerá com o samba de roda da Quixabeira da Lagoa da Camisa.

A participação é gratuita.

VI Novembro Negro - 2018 (Foto IEPS-UEFS)


PROGRAMAÇÃO

22 de novembro de 2019 (sexta-feira)
14-15:00h
Acolhida
14- 15:00h
Abertura
15-17:00h
Apresentações artísticas e culturais das Escolas Municipais José Tavares Carneiro, Paulo de Freitas, José Francisco Martins da Silva e Vasco da Gama
17-19:00h
Coral da UEFS
Dai Morais
Jovens talentos da Lagoa Grande
23 de novembro de 2019 (sábado)
07-8:30h
Café com Prosa
9-12:00h
Roda de conversa: Os nossos desafios na produção e na venda dos produtos da roça.
Gilmaria Cerqueira da Silva, Isabel de Jesus Santos e Hildete Vitório Pereira. Mediador: Carlinhos
12-14:00h
Almoço quilombola: feijoada solidária 
14-15:00h
Roda de conversa: O que significa ser negro ou negra e viver no campo?: refletindo sobre os desafios da luta quilombola diante da pressão da urbanização
Jhonatas Monteiro e Ana Paula Inácio Diório. Mediador: José Raimundo dos Santos
15-17:30h
Oficinas das Tendas culturais e artísticas
19-21:00h
Samba de roda com a
Quixabeira da Lagoa da Camisa
Durante todo o dia 23

TENDAS CULTURAIS E ARTÍSTICAS: EXPOSIÇÃO E OFICINAS DE SABERES POPULARES

Turbante (Hely Pedreira)
Trança (Maristélia Gonçalves dos Santos e Noélia Gonçalves dos Santos)
Chás das Senhoras (Silveria Almeida dos Santos)
Tambor e Pandeiro (Ailton dos Santos Brito - Lolô);
Comida da roça (Sônia Pereira de Jesus Santos e Margarida)
Conversa nagô (Iorubá) (Fábio Leão Figueiredo)
Ciranda Infantil (Girlene da Cruz Ferreira)
Cantinho de Leitura (Tamerson Bispo e Joseval Santos) e do Cordel (Júlia e Santeiro

FEIRA DE SABERES E SABORES: AGROECOLOGIA E ECONOMIA POPULAR E SOLIDÁRIA



terça-feira, 5 de novembro de 2019

CAMPANHA DE DOAÇÕES PARA O 7º NOVEMBRO NEGRO DA LAGOA GRANDE


A Comunidade Quilombola de Lagoa Grande organiza, pelo sétimo ano, as comemorações do seu Novembro Negro. Desta vez, no entanto, o apoio financeiro mínimo para a realização da festa – que sempre dependeu de muita luta – até agora não está garantido.
Os escassos recursos da Associação Comunitária de Maria Quitéria-ACOMAQ (que organiza o evento), a difícil situação orçamentária das instituições públicas de ensino (como a UEFS, a UFRB e o IFBA, que tem sido parceiras da comunidade ao longo dos anos) e as negativas ou ínfimos apoios dos poderes públicos são obstáculos para a realização do Evento.  Aluguel de toldos, aparelho de som, palco, recursos para transporte de pessoas e equipamentos, estão entre os itens ainda em aberto. Até o momento a Comunidade conta apenas com pequenas contribuições da Associação dos Docentes da UEFS-ADUFS (R$ 150,00), da Secretaria de Educação de Feira de Santana (alimentação e transporte de estudantes das escolas municipais que se apresentarão no Evento, água e impressão de cartazes e folders) e da Secretaria de Desenvolvimento Social da Feira de Santana (cadeiras e mesas plásticas). A UFRB contribuirá com o empréstimo de um toldo e com estudantes-monitores/as. A Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária da UEFS colabora com a organização da Feira de Saberes e Sabores (que acontecerá na Comunidade durante a festa, composta por produtores/as da Comunidade de Lagoa Grande) e também com a ajuda de estudantes-monitores/as para a organização.
A data assume uma importância fundamental para a Comunidade de Lagoa Grande, funcionando como um momento de discussão, educação e renovação de energias para as muitas lutas a enfrentar, especialmente em momento de tantos ataques às comunidades tradicionais no país.
As circunstâncias levaram a ACOMAQ, então, como último recurso, a dar início a uma campanha de doações, esperando contar com a solidariedade combativa dos(as) que acreditam neste importante espaço festivo, que potencializa o sentido e a força das conquistas já alcançadas pela comunidade e abre espaço para o encontro de diferentes gerações em torno da palavra, da cultura, da alegria.
As contribuições em dinheiro podem ser feitas através da Conta Corrente 99754-4, agência n. 0041-8 do Banco do Brasil (Associação Comunitária de Maria Quitéria, CNPJ n. 13234430/0001-10). Pede-se que os comprovantes (ou informações sobre o valor, dia e hora do depósito e nome do/a depositante) sejam comunicados por email (quilombolalagoagrande@gmail.com), tornando possível o controle e posterior prestação de contas. Para contribuições de outro tipo pede-se entrar em contato através do email ou do telefone 75-99846-9510.
Agradecemos a divulgação!

Vamos apoiar esta importante manifestação cultural e de organização comunitária de Feira de Santana!
VI Novembro da Lagoa Grande (2018) - registros da IEPS-UEFS


PROGRAMAÇÃO PROVISÓRIA

VII NOVEMBRO NEGRO DA COMUNIDADE QUILOMBOLA DA LAGOA GRANDE
SOBREVIVEMOS PORQUE PRODUZIMOS: contando histórias e estórias de resistências do quilombo Lagoa Grande - Feira de Santana-BA

22 DE NOVEMBRO DE 2019 – SEXTA-FEIRA
14h:00-15:00h
Acolhida
14:00 – 15:00h
Abertura
15:00 – 17:00
Apresentações artísticas e culturais das Escolas Municipais (José Tavares Carneiro, Paulo de Freitas, José Francisco Martins da Silva e Vasco da Gama)
17:00 -  19:00h
Apresentação Cultural a definir

23 DE NOVEMBRO DE 2019 – SÁBADO-FEIRA
07:00 - 8:30h
Café com Prosa
9:00 – 12:00h
Roda de conversa: Os nossos desafios na produção e na venda dos produtos da roça
12:00 - 14:00h
Almoço quilombola: feijoada solidária
14:00 – 15:00
Roda de conversa: O que significa ser negro ou negra e viver no campo?: refletindo sobre os desafios da luta quilombola diante da pressão da urbanização
15:00-17:30h
Oficinas das Tendas culturais e artísticas
19:00h-21:00h
Apresentação cultural a definir
Todo o dia
w Feira de Saberes e Sabores: agroecologia e economia popular e solidária

w Tendas culturais e artísticas  (exposição e oficinas de saberes populares)
Boneca negra de pano
Beleza negra (turbante, tranças, maquiagem )
Chás das Senhoras;
Tambor e pandeiro;
Comida da roça
Teatro negro infantil;
Conversa nagô(Iorubá);
Ciranda Infantil
Cantinho de Leitura e do Cordel